Farra sexual com mulheres e chefes de facção dentro de presídio derruba diretores de unidade

📷Bob do Caju um dos presos envolvidos. Policia Civil ((c))

🏠Rio de Janeiro 

Uma "farra sexual" entre mulheres e chefes de uma facção criminosa em uma unidade prisional do Rio terminou com dois diretores exonerados nesta terça-feira (11).

Além do diretor e do subdiretor, um chefe de segurança também foi exonerado. Outros seis servidores que estavam de plantão naquele dia serão transferidos para outros presídios fora de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste.

A "farra" ocorreu na Penitenciária Jonas Lopes de Carvalho (Bangu 4), no dia 23 de dezembro de 2021. O benefício teria ocorrido depois do pagamento de propina a policiais penais. A Secretaria de Administração Penitenciária investiga o caso.

Continua depois da publicidade:

Investigações

A Secretaria de Administração Penitenciária recebeu a denúncia na primeira semana do ano.

De acordo com o mapa de Parlatório, houve 15 visitas íntimas no dia 23 de dezembro. Posteriormente, imagens indicaram que pelo menos 27 mulheres estiveram na galeria destinada às visitas íntimas dos presos.

A Seap investiga se os presos entraram nas galerias para receber a visita de pátio, mas foram em seguida direcionados para a visita íntima.

Na última sexta-feira (7), o juiz Bruno Rulieri, da Vara de Execuções Penais (VEP) determinou uma busca e apreensão na unidade para apurar a entrada irregular de mulheres para os chefes do tráfico.

Os presos foram colocados em isolamento após determinação da Corregedoria da secretaria.

Por G1.com

Nenhum comentário