Esporte: Os primeiros passos do futebol em Parnaíba

📷Foto: Almanaque da Parnaíba
🏠Parnaíba (PI)

No inicio do século XX, Parnaíba, ou Parnahyba, que era a grafia da época, despontava para um período de sucesso econômico, impulsionado pelo comércio com vários países da Europa e com a Inglaterra, terra natal de duas das maiores empresas que aqui se instalaram: a Booth-Line e a Casa Inglesa, ambas com matriz na cidade de Liverpol, na Inglaterra. Segundo Goethe Pires de Lima Rebelo, em sua obra “Tempos que não voltam mais: crônicas sobre a Parnaíba antiga”,

"[...] Por essa época, existiam em Parnaíba agências de duas importantes firmas inglesas, com ramificação em todo o Norte e Nordeste do Brasil: Casa Inglesa e Booth-Line, ambas com sede em Liverpool, Inglaterra. O gerente e sócio da Casa Inglesa o Sr. James Frederic Clark, pai do jovem Septimus, possuía em seu Quadro de funcionários o cidadão inglês chamado Leonard Haynes; a Booth-Line era gerida pelo jovem Mister Juliam Clissold e contava no seu quadro de funcionários com o cidadão inglês, Mister Anderson." (REBELO: s/d, p.61).

O intercambio comercial da cidade de Parnaíba com a Europa e a Inglaterra foi, por assim dizer, a gênese do futebol piauiense. Esse intercâmbio fez com que vários jovens de famílias abastadas fossem completar seus estudos fora do Brasil. Esses jovens, quando retornavam a Parnaíba, traziam na bagagem bem mais do que conhecimentos científicos e administrativos. Segundo ainda o cronista,

[...] pouco antes da primeira grande guerra, Parnaíba tinha sua larga pauta de exportação para países da Europa Ocidental, [...] Este fato trouxe um intercâmbio comercial e cultural de relevante significação, levando algumas famílias “patrícias” a mandarem seus filhos estudarem em colégios europeus, para que aprendessem, além da língua, as técnicas mais avançadas do momento. [...] Na volta ao lar, esses rapazes traziam hábitos e costumes novos, adquiridos no além mar. Entre esses, o do futebol, grande novidade esportiva da época, que começava a ganhar campo em todo o mundo” (REBELO: s/d, p. 61).

Naquela época, o futebol ainda era considerado um esporte elitista e praticado quase que exclusivamente por pessoas de famílias ricas da Europa e da Inglaterra. No Brasil, em especial em Parnaíba, devido, principalmente ao seu sincretismo, o futebol nasceu e cresceu com a união de dois estratos sociais: a elite e os “rapazes da terra” (CERQUEIRA,2016), que eram parnaibanos e ingleses que trabalhavam no comércio local. Até então, a prática do futebol em solo parnaibano era apenas uma forma de lazer. No inicio, existiam dois times que eram formados antes do pontapé inicial, como ocorre ainda hoje nas “peladas” disputadas nas várzeas. Segundo o cronista,

"O grupo capitaneado por Septimus Clark dispersou-se, passageiramente, até que em 5 de junho de 1912 [...] fundou em sessão solene, o glorioso Internacional Athletic Club. Adotou a camisa vermelha com golas e punhos brancos, tendo ao peito esquerdo o emblema do Club; calção branco, meias vermelhas e brancas, listrada na vertical e chuteiras pretas. A bandeira era listrada de vermelho e branco, tendo na parte superior o emblema do clube, inserido num pequeno retângulo. O outro grupo capitaneado por Zeca Correia, mais coeso, acabou fundando, em 1 de maio de 1913, em sessão solene, o Parnahyba Sport Club. [...] Adotou a camisa branca com gola e punhos brancos, tendo ao peito o escudo do clube, calções azuis, meias e chuteiras pretas. A bandeira era azul com faixa branca no meio, tendo no centro o emblema do clube." (REBELO: s/d, p. 62).

As primeiras partidas realizadas em solo parnaibano chamou a atenção do cronista, principalmente pela terminologia que era usada durante as partidas, todas no idioma inglês: “Goal-zepper” (goleiro), “Full-backs (zagueiros), “Halfs-backs (meio campo), “Fowards” (jogadores de frente), “Off-side” (Impedimento), “Out-side” (bola lateral), “Kick-off” (inicio do jogo), “Referee” (Árbitro)... (REBELO: s\d, p.63).

Continua depois da publicidade:

Nos anos de 1920, Parnaíba já tinha dois clubes de futebol com seus respectivos locais de treinos e de jogos: Parnahyba Sport Club (que jogava no seu campo, que ficava localizado onde hoje funciona o Colégio Diocesano) e o Internacional Sport Club (que jogava no estádio do Internacional, hoje CT Petrônio Portela).

Campo do Parnahyba Sport Clube ((c)) Almanaque da Parnaíba

Campo do Internacional Sport Clube ((c)) Almanaque da Parnaíba

A Estrada de Ferro e o Futebol

Nas primeiras décadas do século XX, Parnaíba foi contemplada com a construção da estrada de ferro, símbolo do progresso e da modernidade que alterou de forma significativa o comércio e o cotidiano dos moradores da região Norte do Piauí. Esse novo passo no desenvolvimento da Parnaíba gerou muitos empregos para parnaibanos, maranhenses e cearenses, que viviam assolados no sofrimento gerado pela seca.

Esses novos trabalhadores, conhecidos como ferroviários, nutriam a mesma paixão dos filhos da elite parnaibana pela pratica do futebol. Ao longo do tempo, esses ferroviários se reuniram em torno do Ferroviário Atlético Clube, conhecido como “Esquadrão da Central” ou simplesmente “Ferrim” (CERQUEIRA 2016). Em 1940, os ferroviários construíram a sua sede social do Ferroviário Atlético Clube, localizada ainda hoje na Avenida São Sebastião, nas proximidades da Igreja de São Sebastião.

Em idos do século XX o futebol em Parnaíba, através de seus dirigentes, fomentou a economia e gerou muitos postos de trabalho aos jovens que mostravam habilidade com a bola. Um desses entusiastas do futebol parnaibano foi o médico, Walterdes Sampaio, que por toda uma vida dirigiu o Ferroviário Esporte Clube e descobriu novos talentos, que fizeram parte do escrete do “Ferrim”: Leiterinho, Palanqueta, Ição, Cafuringa, Raimundo e Vicente Rasga, etc.

Muitos times de futebol foram criados por empresários e desportistas, como o Dr. Walterdes. Segundo o Almanaque da Parnaíba, em 1943, tínhamos os seguintes times: Belga Futebol Clube (Avenida 1º de Maio), Brasil Futebol Clube (Ilha Grande de Santa Isabel), Casino 24 de Janeiro (Rua do Miranda), Coroa Futebol Clube (Rua São Bernardo), Esporte Clube Fluminense (Avenida Marechal Pires Ferreira), Flamengo Esporte Clube (Rua Vera Cruz), Ferroviário Esporte Clube (Praça Luiz Galhanoni), Guarani Esporte Clube (Avenida Marques de Paranaguá), Parnahyba Sport Club (Rua Sousa Martins) e Paissandu Esporte Clube (Rua Coelho Rodrigues), Primeiro de Maio Esporte Clube (Avenida Álvaro Mendes). (ALMANAQUE DA PARNAÍBA: 1943, p. 299).

Parnaíba é conhecida de forma depreciativa como “a cidade do já teve”. Hoje, em meados do século XXI, o futebol de Parnaíba anda a passos lentos, tendo apenas um time profissional que disputa o campeonato piauiense, o Parnahyba Sport Club. Falta de apoio, de incentivo e de uma administração profissional são os principais motivos de reclamações dos amantes do futebol de Parnaíba, que tantas alegrias proporcionou aos seus torcedores.

Por Walter Fontenele | Portalphb

Com informações de:

 
CERQUEIRA, Maria Dalva Fontenele. . A FERROVIA E O FUTEBOL: Histórias e Memórias do futebol ferroviário em Parnaíba (PI). REVISTA PIAUIENSE DE HISTÓRIA SOCIAL E DO TRABALHO , v. 2, p. 51-62, 2016.;

REBELO, Goethe Pires de Lima. Tempos que não voltam mais: crônicas sobre a Parnaíba antiga. Rio de Janeiro: ADOIS [ s/d]

Nenhum comentário