6/recent/ticker-posts

Segundo Zé Filho, a indústria continua sendo importantíssima para o desenvolvimento do País

Zé Filho. Foto de Reprodução

O Presidente da Federação das Indústrias do Estado do Piauí (FIEPI), Antônio José de Morais Souza Filho, Zé Filho, enalteceu a importância da indústria diante da Pandemia do Novo Coronavírus.

A Pandemia global do Covid-19 afetou todos os segmentos, mas, segundo Zé Filho, “a indústria foi fortemente afetada pela Pandemia, assim como o comércio e o serviço, sendo necessário levar em consideração duas realidades distintas: a do Piauí e a do resto do Brasil”, pontou Zé Filho.

“O Estado do Piauí foi um dos mais atingidos por medidas restritivas. Para termos uma ideia, a construção civil, que representa 50% do PIB da indústria piauiense, ficou proibida de funcionar por vários meses por força de decretos do Governador do Estado, Wellington Dia, enquanto no resto do país a atividade se manteve funcionando, até porque pesquisas mostraram que o ambiente dos canteiros de obras oferecia baixo risco de contaminação”, disse.

A Federação das Indústrias do Estado do Piauí, entidade presidida por Zé Filho, foi uma das primeiras a fazer ajustes internos com o intuito de proteger as pessoas e garantir a segurança dos seus colaboradores. Assim todas as atividades do SENAI e SESI foram suspensas e na sede da FIEPI, foi mantido apenas um núcleo de apoio às indústrias e uma gestão de crise funcionando.

Zé Filho destacou o papel desempenhado pela indústria para o desenvolvimento do país. “A indústria vai continuar sendo relevante. Durante a Pandemia foi necessário muita resiliência e adaptações a curto período de tempo, mas a indústria brasileira mostrou muita capacidade de dar respostas rápidas. A título de exemplo, ressaltamos que, mesmo nos piores momentos da Pandemia, o país não sofreu desabastecimento, que é básico e essencial para a população”, disse. 

Imagem de Reprodução. FIEPI

Finalizando, Zé Filho diz se sentir otimista em relação as perspectivas para os próximos seis meses, tanto para a indústria quanto para a população em geral. 

Fonte: Walter Fontenele 
Com informações da FIEPI

 

Postar um comentário

0 Comentários